Resenha: Outros Jeitos de Usar a Boca (Rupi Kaur)

Créditos da foto: Starving
Faz tempo que o blog está sem resenhas de livros, né? Desculpa, não foi intencional. O lance é que eu foquei em ler um livro acadêmico e isso acabou super me atrasando na listinha de leitura. Mas consegui terminar (yay!) e em seguida li Outros Jeitos de Usar a Boca, da Rupi Kaur.
“você me diz para ficar quieta porqueminhas opiniões me deixam menos bonitamas não fui feita com um incêndio na barrigapara que pudessem me apagarnão fui feita com leveza na línguapara que fosse fácil de engolirfui feita pesadametade lâmina metade sedadifícil de esquecer e não tão fácilde entender”
Eu sempre via por aí várias frases de impacto com autoria dela, mas não sabia que era de um livro até que a Jout Jout fez um vídeo sobre isso. Aí eu tive uma vontade doida de ler porque cara, é cada tiro que não tem como não ficar mexida.
“quero pedir desculpa a todas as mulheresque descrevi como bonitasantes de dizer inteligentes ou corajosasfico triste por ter falado como sealgo tão simples como aquilo que nasceu com vocêfosse seu maior orgulho quando seuespírito já despedaçou montanhasde agora em diante vou dizer coisas comovocê é forte ou você é incrívelnão porque eu não te ache bonitamas porque você é muito mais do que isso”
Outros Jeitos de Usar a Boca (Milk and Honey, no original) é um livro de poesia feminista, com x páginas, e aqui no Brasil foi lançado pela Editora Planeta. Inicialmente foi lançado de maneira independente (ou seja, ela pagou pra conseguir publicar) mas acabou bombando pelo mundo inteiro.
“não quero ter vocêpara preencher minhas partes vaziasquero ser plena sozinhaquero ser tão completaque poderia iluminar a cidadee só aíquero ter vocêporque nós dois juntosbotamos fogo em tudo”
Dividido em quatro partes (a dor, o amor, a ruptura, a cura), Outros Jeitos de Usar a Boca combina poemas fortes com ilustrações singelas. Cada palavra mostra a verdade e a realidade dos sentimentos e situações vivenciados pela mulher. É tudo muito sincero, quase bruto, como se a autora não aguentasse mais segurar aquilo e tivesse parado o que estava fazendo pra colocar no papel aquelas coisas (o fato d’ela não usar nenhuma regra de pontuação – não existe vírgula nesse livro – só reforça isso).
“da próxima vez que elecomentar que ospelos das suas pernascresceram de novo lembreesse garoto que o seu corponão é a casa deleele é um hóspedeavise que elenunca deve passar por cimadas boas-vindasde novo”
Cada poema trata de assuntos muito recorrentes no dia-a-dia, desde depilação até relacionamentos abusivos. E tudo se encaixa tão bem que chega a assustar. Você mal conseguiu digerir o que acabou de ler e BAM! Leva mais um tiro. 
“ele só sussurra eu te amoquando desliza a mãopara abrir o botãoda sua calçaé aí que você temque entender a diferençaentre querer e precisarvocê pode querer esse meninomas você com toda a certezanão precisa dele”
Outros Jeitos de Usar a Boca é um daqueles livros difíceis de explicar porque é tão incrível. Tudo que posso dizer é: leia. Leia, por favor, eu te imploro. Como disse a Jout Jout “você leva uns tapas na cara, mas leva sorrindo”.
“deve ser doloroso saberque eu sou sua maisbonitamágoa”
E aí, já tinha ouvido falar desse livro? Ficou com vontade de ler? Lê e depois me conta o que achou!
“acima de tudo amecomo se fosse a única coisa que você sabe fazerno fim do dia isso tudonão significa nadaesta páginaonde você estáseu diplomaseu empregoo dinheironada importaexceto o amor e a conexão entre as pessoasquem você amoue com que profundidade você amoucomo você tocou as pessoas à sua voltae quanto você se doou a elas”
Beijos,

            Duane.

Resenha Batom Jequiti Elas Sedução


Chegou o dia: hoje tenho o prazer de te apresentar ao meu batom favorito. E é da Jequiti! O nome dele é Sedução (uuuuuh :P).
A promessa: "Ótima cobertura. Contém vitamina E. Hidrata e protege".
Confesso que de início não curti muito essa embalagem. Ela é bem coloridona, neon mesmo. Depois comecei a gostar e hoje amo (mas fui pesquisar e vi que já mudaram a embalagem, deixaram ela mais bonitinha). Apesar das cores chamativas, ela é bem básica e funcional. Vivo carregando por aí e não abre, fora que já derrubei diversas vezes e não aconteceu nada.


O batom é bem pigmentado. Basta uma passada pra fechar o tom, que é esse vinho maravilhoso. Ele é beeem cremoso e brilhante, por isso é difícil eu passar e deixar desse jeito. Mas quando deixo, a duração média é de umas 5 horas, sem comer nem beber nada (caso o faça, vai sair um pouco no centro, mas retocando fica de boa).


O que eu gosto mesmo de fazer é passar e dar uma “secada” com um guardanapo. Aí ele tira aquela sensação de “acabei de comer um frango cheio de gordura”.
Além disso, curto passar nos lábios em batidinhas, pois assim ele deixa uma cor bem leve, com cara de saúde, e também nos olhos, com os dedos mesmo, pra deixar de sombra. Quando estou inspirada, também uso um pouquinho nas bochechas pra fazer o blush. Ou seja: não tem batom mais multifuncional que esse HAHAH.


É bem baratinho, viu? Custa R$13,90 no catálogo.
E aí, gostou do batom da minha vida? Usaria? Conta aí nos comentários ❤
Beijos,

          Duane.

As trilhas sonoras da minha vida


Se tem uma coisa que eu sempre presto atenção quando assisto filmes e séries é a trilha sonora. Por isso decidi contar quais são as minhas favoritas (até agora) ❤

SCOTT PILGRIM CONTRA O MUNDO


O filme tem como protagonista um cara que toca baixo numa banda, e essa banda participa de uma competição. Por aí você já imagina que o filme tem bastante música, né nom? A maioria é de rock, mas tem um pouco de pop também.
Favorita: Black Sheep



Ai, o que dizer dessa trilha sonora que conheço há tempos e considero pacas? Tem rock, tem indie, tem muito amor envolvido e por aí vai.



Muito rock antigo. É só isso que eu tenho pra dizer mesmo. Obrigada.

CLUBE DOS CINCO


Filme antiguinho com rock antiguinho. Ai meu coração ❤
Favorita: Elizabeth Daily - Waiting (por enquanto é essa, mas de tempos em tempos muda).

Se você também adora alguma trilha sonora, por favor, bora conversar nos comentários. Eu vou amar conhecer as suas favoritas!
Beijos,
          Duane.


Impulso X Intuição


Você já se arrependeu de alguma coisa que fez por impulso? Eu já. Quem nunca, né? A questão é se a gente aprendeu a diferenciar impulso de intuição. Essa é uma habilidade muito útil e por isso eu decidi fazer uma listinha com o que, na minha humilde opinião, faz delas bem diferentes.

O IMPULSO É DESESPERADO E A INTUIÇÃO É CAUTELOSA
Dá pra perceber isso quando estamos fazendo compras. O impulso se apresenta naquela vontade doida de comprar uma coisa que, no fundo, você sabe que não vai acrescentar em nada na sua vida. Por outro lado, a intuição às vezes chega a ter algumas dúvidas, mas te passa aquela certeza de que vai dar certo.

ENQUANTO O IMPULSO TE DÁ MIL MOTIVOS, A INTUIÇÃO DÁ UM SÓ
É como se o nosso cérebro soubesse que logo, logo a gente vai desistir daquela ideia, por isso fica tentando nos convencer. Já a intuição simplesmente sabe que aquilo se encaixa perfeitamente na nossa vida.

O IMPULSO VAI, A INTUIÇÃO FICA
Se você der uma volta, é bem provável que aquela vontade de mandar oi pro ex, de comprar uma roupa cara, de comer bobagem ao invés de uma fruta, etc, vá embora. Já a intuição não. Ela fica pra dizer “viu, eu avisei que ia dar certo/errado”.

Parece fácil, mas na realidade é bem difícil diferenciar as duas quando se está em determinadas situações. De qualquer forma, espero ter ajudado c:
E você, age muito por impulso ou prefere seguir a intuição? Conta aí nos comentários!
Beijos,

            Duane.

Meus 5 animais favoritos

Créditos: Richter Maganhildi
O tema de hoje no desafio das 5 coisas é muito, muito, muito fofíneo Vou contar pra vocês meus 5 animais favoritos. Não vou nem ficar explicando o porquê porque é desnecessário. Vai ser um post de apreciação

Catioro


Gatineo


Girafinea


Vaquinea


Unicórnio


E os seus animais favoritos, quais são?
Beijos,

            Duane.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...